Abra a seleção de línguaOpen language selection Português Menu Pesquisar
Doar

Doença pulmonar nas crianças

Doença pulmonar nas crianças

A investigação mostrou que os problemas pulmonares são responsáveis por cerca de um quarto de todas as idas das crianças ao médico de família. As duas principais doenças que afetam as crianças são a asma e a fibrose quística, que são abrangidas em secções diferentes. As restantes principais doenças pulmonares são abrangidas aqui. 

 

Infografia das doenças pulmonares nas crianças PDF Descarregue a nossa infografia para ver os pontos fundamentais sobre a doença pulmonar nas crianças

ERS This material is a summarised version of the European Lung White Book, which can be accessed online.

Visite o nosso site de prioridades dos doentes com ChILD

O website das Prioridades dos Doentes (Patient Priorities) da ELF foi desenvolvido com a ajuda de doentes e profissionais de saúde de toda a Europa. Este oferece informações mais detalhas e apoio aos pais, cuidadores e familiares de crianças com doença pulmonar intersticial (ChILD).

Visite Patient Priorities
  • Doenças

    BRONQUIOLITE

    A bronquiolite é uma inflamação ou inchaço das vias respiratórias mais pequenas, chamadas bronquíolos. Afeta os bebés e as crianças com menos de 2 anos e é a causa mais frequente de internamento hospitalar de bebés com menos de 1 ano. 

    A bronquiolite é causada por uma infeção viral, mais frequentemente pelo vírus sincicial respiratório (VSR). Esta é a infeção pulmonar mais frequente na primeira infância. A maior parte dos bebés desenvolve uma infeção por VSR até aos 2 anos e, na sua maior parte, os sintomas são semelhantes aos de uma constipação comum. O vírus causa um excesso de muco e inchaço do revestimento das vias respiratórias pequenas. 

    Os bebés afetados desenvolvem uma respiração acelerada, pieira, irritabilidade, alimentação inadequada e vómitos. 

    Os bebés infetados com vírus sincicial respiratório (VSR) geralmente precisam de cuidados de suporte mas não de medicação. Nos casos muito graves, são-lhes administrados medicamentos antivirais. Os bebés que estão em risco elevado de desenvolver a doença podem receber tratamento com um anticorpo chamado palivizumab para ajudar a reduzir as infeções graves. 

    DOENÇAS PULMONARES RELACIONADAS COM O NASCIMENTO PREMATURO, INCLUINDO DISPLASIA BRONCOPULMONAR (DBP)

    Babies born prematurely are at an increased risk of developing problems with their lungs. The lungs are one of the last organs to develop when a baby is growing. This Os bebés que nascem prematuramente encontram-se em risco aumentado de desenvolver problemas nos pulmões. Os pulmões são um dos últimos órgãos a desenvolver-se durante o crescimento do bebé. Isto significa que quando um bebé nasce prematuramente os pulmões não estão ainda inteiramente desenvolvidos.

    Num estudo realizado nos EUA com 100 crianças nascidas às 23 semanas, 60 morreram antes da alta hospitalar, na sua maioria devido a insuficiência respiratória. 

    A doença mais frequente que afeta os bebés pré-termo é a displasia broncopulmonar (DBP). 

    A DBP é uma das complicações mais importantes do parto prematuro com 23% dos bebés nascidos às 28 semanas e 73% dos bebés nascidos às 23 semanas a apresentar a doença. Caracteriza-se por uma respiração acelerada e difícil, a arfar e com tosse, e por dificuldades em manter os níveis de oxigénio normais, o que muitas vezes leva à necessidade de ventilação mecânica.  

    A DBP é tipicamente diagnosticada se um bebé continuar a necessitar de oxigénio adicional e continuar a mostrar sinais de problemas respiratórios para além da idade de 28 dias. O tratamento destina-se a suportar a respiração até que os pulmões em desenvolvimento se tornem adequados, mas a DBP muitas vezes resulta em problemas respiratórios mais tarde na infância e na idade adulta. Não estão disponíveis tratamentos para curar a doença e é necessária mais investigação para desenvolver um tratamento eficaz para os bebés que nascem com pulmões imaturos.

    PNEUMONIA

    A pneumonia é frequente em todo o mundo, mas particularmente no mundo em desenvolvimento. Estima-se que ocorram cerca de 151 milhões de novos casos de pneumonia por ano nas crianças com menos de 5 anos no mundo em desenvolvimento. Nos países desenvolvidos, as complicações graves estão geralmente limitadas às crianças com doenças subjacentes. 

    A pneumonia é mais frequente nas crianças mais pequenas e muitas vezes tem início após uma constipação, tosse ou garganta inflamada e pode propagar-se facilmente de pessoa para pessoa quer através do ar quer através de uma superfície contaminada. A pneumonia é mais frequentemente causada pela infeção pela bactéria Streptococcus pneumoniae ou por um vírus, como:

    • Adenovírus
    • Rinovírus
    • Vírus influenza
    • Vírus sincicial respiratório (VSR)V)

    As pessoas com pneumonia desenvolvem tosse juntamente com outros sintomas, como por exemplo febre ou falta de ar. Há uma grande variação entre países no número de casos de pneumonia e no número de mortes devido à doença. Isto deve-se a vários fatores, incluindo malnutrição, sobrepopulação, baixo peso à nascença, infeção preexistente pelo VIH e a eficácia dos programas de vacinação nos diversos países. Há uma taxa de mortalidade mais elevada devido a pneumonia na Europa de Leste em comparação com os países da Europa ocidental.

    A pneumonia também pode desenvolver-se como complicação do sarampo, ocorrendo em entre 5 a 10% das crianças com sarampo. 

    A pneumonia é habitualmente diagnosticada através de uma radiografia que mostra sombras nos pulmões. Geralmente utilizam-se antibióticos para tratar a pneumonia. Os antibióticos matam as bactérias, mas não os vírus. No entanto, muitas vezes a causa da pneumonia não se conhece ainda numa fase precoce da doença e os antibióticos são administrados para abranger as causas bacterianas prováveis; além disso, após uma infeção viral inicial pode seguir-se uma infeção bacteriana. 

    TUBERCULOSE (TB)

    A TB é causada pela bactéria Mycobacterium tuberculosis. A TB nas crianças resulta mais frequentemente do contacto com alguém em casa com TB ativa.

    Os bebés e crianças encontram-se em risco acrescido de contrair TB e têm probabilidade de desenvolver uma forma ativa da doença mais rapidamente do que os adultos. Se não forem tratados, os bebés têm uma probabilidade de 50-60% de morrerem da infeção.  

    Os sintomas da TB variam, mas incluem tosse, dor torácica, expetoração, cansaço e perda de apetite. 

    O diagnóstico de TB pode ser difícil de confirmar, uma vez que é difícil recolher amostras do muco produzido pela tosse das crianças. Os médicos vão observar os sintomas da criança, as amostras de tecido e a evidência de uma exposição à TB para decidir se a criança apresenta a doença. 

    Ainda que as crianças sejam muito vulneráveis à TB, esta não é uma das principais causas de morte na infância. A vacina do Bacilo de Calmette-Guerin (BCG) é utilizada em alguns países, sobretudo naqueles onde a TB é relativamente frequente, mas o seu uso generalizado foi descontinuado em muitos países nos quais a probabilidade de TB é baixa.

    PROBLEMAS PULMONARES PRESENTES DESDE A NASCENÇA (PROBLEMAS PULMONARES CONGÉNITOS)

    As doenças respiratórias congénitas estão presentes desde o nascimento e afetam a estrutura e a função dos pulmões. Podem afetar o diafragma, os pulmões, o aporte sanguíneo, as vias respiratórias, a laringe e a boca. 

    As causas das doenças congénitas são geralmente desconhecidas. Às vezes podem ser causadas por uma doença hereditária. Um exemplo disto é a discinesia ciliar primária, que ocorre quando uma criança herda um gene defeituoso de um dos pais. 

    Os efeitos dos problemas pulmonares congénitos observam-se geralmente no 1.º ano de vida. Para a discinesia ciliar primária, os sintomas podem incluir a incapacidade de retirar muco dos pulmões, bronquite recorrente, nariz persistentemente entupido e sinusite. 

    O diagnóstico e tratamento dos problemas pulmonares congénitos devem ser proporcionados em centros especializados, uma vez que as doenças são raras e muitas vezes difíceis de gerir.

    TOSSE CONVULSA

    A tosse convulsa, também chamada coqueluche, é uma infeção respiratória de curto prazo causada pela bactéria Bordetella pertussis. Os sintomas caracterizam-se por períodos prolongados de tosse, muitas vezes seguidos pelo “arquejo” característico quando a criança inspira. A tosse pode durar semanas ou meses. 

    Uma vez que a maior parte das crianças na UE estão vacinadas contra a tosse convulsa, os sintomas são frequentemente ligeiros. No entanto, continuam a ocorrer surtos porque a vacina não confere uma proteção para toda a vida e cada vez mais se observam casos de tosse convulsa em adultos.

  • Prevenção

    As vacinas e os programas de vacinação são uma forma eficaz de prevenir determinadas doenças, incluindo alguns tipos de pneumonia, TB e tosse convulsa. Os programas de vacinação geralmente abrangem 90% da população e têm conseguido ter sucesso em baixar a taxa de ocorrência de doenças como a tosse convulsa, sarampo e infeção pelas bactérias Haemophilus influenzae e Streptococcus pneumoniae (pneumococos) em todos os países europeus nos últimos 20 anos. 

    Presentemente não há nenhuma vacina disponível para o vírus sincicial respiratório (VSR). 

  • Carga

    A maior parte das doenças na infância tem um impacto enorme durante a primeira infância com a continuação dos problemas muitas vezes mais tarde na vida. Também há variações enormes nos cuidados oferecidos através da Europa.

    Nos últimos anos, o número de crianças que sobrevivem a um parto prematuro tem aumentado, de tal forma que o número de crianças e adultos com problemas pulmonares devido à prematuridade está a aumentar.

    • 1-2% do total de crianças no 1.º ano de vida dão entrada no hospital com uma infeção por VSR, sendo as taxas particularmente elevadas nos Estados Bálticos
    • Cerca de um quarto das consultas das crianças no médico estão relacionadas com problemas pulmonares
    • 73% dos bebés nascidos às 23 semanas de gravidez desenvolvem DBP
    • Todos os anos desenvolvem-se 151 milhões de novos casos de pneumonia nas crianças com menos de 5 anos no mundo em desenvolvimento
    • O número total de casos de TB na infância na Europa em 2010 foi de cerca de 11 000 e é drasticamente mais elevado nos países da Europa de Leste.
    • O custo dos cuidados primários para os problemas do trato respiratório, juntamente com as doenças de pele, representa cerca de metade do custo total dos cuidados de saúde primários

     

     
    Taxa de mortalidade para a pneumonia em crianças. Dados das Bases de Dados de Mortalidade na Europa e no Mundo, da Organização Mundial de Saúde, atualização de novembro de 2011

  • Necessidades atuais e futuras

    • Precisa de haver um maior foco no cuidado dos bebés com DBP, sobretudo na Europa Central e de Leste
    • É importante identificar as causas de variação nas mortes devido a pneumonia entre países, para ajudar a estabelecer programas de intervenção eficazes
    • São necessários melhores testes de diagnóstico da TB em crianças, para assegurar um diagnóstico fiável
    • São necessários mais dados sobre a frequência da TB multirresistente e ultrarresistente através da Europa
    • •A TB na infância tem sido negligenciada e é muitas vezes ignorada nos programas de controlo da TB; uma vez que a imunização pela BCG não é completamente eficaz, são necessárias melhores vacinas urgentemente
    • Há uma necessidade urgente de desenvolver vacinas para a proteção vitalícia contra a tosse convulsa
    • No futuro, é necessário um programa de vacinação acessível e altamente eficaz para o VSR, sobretudo nos países da Europa de Leste, para reduzir o número de mortes de bebés devido à infeção
    • É necessário um banco de dados europeu para recolher informação fiável sobre a DBP, para estudar os custos, a relação de custo-eficácia e os efeitos a longo prazo do tratamento