Abra a seleção de línguaOpen language selection Português Menu Pesquisar
Doar

Distúrbios respiratórios do sono

Distúrbios respiratórios do sono

O termo “Distúrbios respiratórios do sono” refere-se a um leque de doenças que resultam numa respiração alterada durante o sono. 

A mais frequente é a apneia do sono. Apneia significa uma pausa temporária na respiração. Ainda que haja outros tipos de apneia, o termo “apneia do sono” geralmente refere-se à síndrome de apneia obstrutiva do sono (SAOS), na qual a pessoa fica brevemente incapaz de respirar devido à obstrução temporária da via respiratória na garganta, chamada faringe. Nos doentes com SAOS isto pode ocorrer muitas centenas de vezes durante uma única noite de sono.



Infografia dos problemas respiratórios durante o sono PDF Descarregue a nossa infografia para ver os pontos fundamentais sobre os problemas respiratórios durante o sono

ERS This material is a summarised version of the European Lung White Book, which can be accessed online.

  • Sintomas

    Quando estamos a dormir os nossos músculos estão relaxados. Em algumas pessoas, a língua e os músculos relaxados na garganta podem causar um estreitamento da via respiratória, que restringe a respiração e pode interrompê-la temporariamente. Se isto acontecer, o cérebro causa um despertar parcial breve, que reabre a via respiratória e reinicia a respiração. O despertar repetido durante a noite pode afetar gravemente a qualidade do sono, levando a uma sonolência excessiva durante o dia.

    Além disso, cada apneia é acompanhada de um pico na frequência cardíaca e na pressão arterial. A pressão arterial aumentada (hipertensão) acaba por persistir mesmo quando a pessoa está acordada e isto aumenta o risco de um ataque cardíaco ou de um AVC. 

    O ressonar é universal nas pessoas com SAOS. O ruído do ressonar surge da vibração dos tecidos na garganta, implicando que a via respiratória é potencialmente instável e portanto mais vulnerável a colapsar durante o sono. No entanto, só uma minoria das pessoas que ressonam tem SAOS.

    Os sintomas da SAOS podem ocorrer tanto de dia como de noite:

    DIA

    Sonolência excessiva
    Falta de concentração
    Dor de cabeça matinal
    Alterações do humor
    Boca seca
    Impotência ou diminuição do desejo sexual

    NOITE

    Sono inquieto
    Apneias
    Acordar com sufocação
    Sonhos vívidos
    Nictúria (urinar durante a noite)
    Suores
    Insónia
    Salivação e ranger dos dentes

  • Causas

    A prevalência da apneia do sono aumenta com a idade até aos 60 anos. 

    Qualquer coisa que faça com que a garganta fique mais estreita do que o habitual pode aumentar a probabilidade de SAOS:

    FATORES AMBIENTAIS

    A obesidade moderada a grave é um fator de risco fundamental, uma vez que é acompanhada de um aumento do tecido gordo em volta da garganta. A obesidade encontra-se em 60 a 90% das pessoas com SAOS e é o fator de risco mais frequente nos adultos. 

    Tanto o tabagismo como o álcool foram relacionados com uma prevalência mais elevada de tabagismo e apneia do sono.

    FATORES GENÉTICOS

    Algumas pessoas têm maior probabilidade de desenvolver apneia do sono devido aos seus genes.

    A apneia do sono é mais frequente nos homens do que nas mulheres.

    Determinados tipos de estrutura óssea facial hereditária estão associados a uma garganta estreita e fazem com que a SAOS seja mais provável; o mais frequente é o queixo recolhido. Problemas genéticos específicos, como por exemplo a síndrome de Down, também predispõem o indivíduo à SAOS. 

    A SAOS também ocorre nas crianças e o fator contributivo mais frequente é o aumento das amígdalas. Em algumas crianças ou adultos a congestão grave do nariz também pode agravar o problema. 

  • Prevenção

    Quando relevante, as alterações ao estilo de vida, como por exemplo a perda de peso e redução do consumo de álcool e do consumo de cigarros podem ajudar a prevenir o problema.

  • Tratamento

    Frequentemente há a suspeita de SAOS devido aos sintomas e ao exame clínico, mas na maior parte dos casos é necessário um registo durante a noite para obter uma confirmação. Um estudo detalhado do sono, chamado polissonografia, regista as ondas cerebrais, a atividade muscular, os movimentos dos olhos, a atividade do coração, o movimento do tórax, o fluxo de ar no nariz e na boca e o nível de oxigénio no sangue (oximetria). 

    Este estudo detalhado faz-se numa clínica do sono, mas na maior parte das pessoas com suspeita de SAOS podem fazer-se exames complementares de diagnóstico mais simples utilizando equipamento portátil, muitas vezes em casa do doente. Estão disponíveis vários dispositivos para registar várias combinações de níveis de oxigénio no sangue, movimento do tórax, fluxo de ar e frequência cardíaca. 

    através de um questionário simples, chamado Escala de Sonolência de Epworth. Neste questionário, pede-se ao indivíduo que classifique a probabilidade de adormecer em diferentes situações do quotidiano. Também é provável que os sintomas da apneia do sono, como por exemplo o ressonar e apneias testemunhadas, sejam relatados pela pessoa que dorme com o doente.  

    O tratamento mais eficaz para a apneia do sono é a ventiloterapia por pressão positiva contínua (CPAP), que é simples e altamente custo-eficaz. Esta forma de tratamento envolve um aparelho que gera um fluxo de ar através de uma máscara colocada sobre o nariz (ou sobre o nariz e a boca) a uma pressão que é ajustada para manter a garganta aberta durante a noite.  Para um benefício contínuo, é preciso utilizar-se todas as noites. Outras opções incluem um dispositivo utilizado no interior da boca para fazer avançar o maxilar inferior ou, quando pertinente, cirurgia de remoção das amígdalas. 

    Presentemente não há tratamentos farmacológicos. 

  • Carga

    • Nos países desenvolvidos, a apneia do sono registada afeta entre 3 a 7% dos homens e 2–5% das mulheres na meia-idade.
    • A apneia do sono está associada a um risco aumentado de hipertensão, juntamente com doença cardíaca, depressão e acidentes rodoviários relacionados com a sonolência
    • As pessoas com apneia do sono não tratada têm um risco 1,2–2 vezes mais elevado de terem um acidente rodoviário
    • A apneia do sono pré-diagnosticada está associada a custos de cuidados de saúde por pessoa entre 50% a 100% mais elevados do que para a população em geral

     

  • Necessidades atuais e futuras

    • É preciso haver uma maior sensibilização para esta doença e para as suas consequências se não tratada
    • As autoridades nacionais de saúde e de segurança rodoviária precisam de reconhecer o efeito da sonolência devida a SAOS durante a condução, de forma a reduzir os riscos para as pessoas afetadas e para o público mais alargado
    • É necessário um maior esforço no sentido de simplificar os exames complementares de diagnóstico da doença
    • É necessário expandir as instalações para o tratamento da apneia do sono, dado que os tempos de espera para a avaliação e tratamento na Europa são um problema grave
    • Precisa de haver uma melhor compreensão de quais os tratamentos que resultam melhor com diferentes grupos de pessoas, de modo a melhorar a eficácia da terapêutica