Open language selectionOpen language selection Português Menu Search
Doar

DPOC

DPOC

A doença pulmonar obstrutiva crónica (DPOC) é uma doença crónica que causa inflamação dos pulmões, lesão do tecido pulmonar e um estreitamento das vias respiratórias, fazendo com que seja difícil respirar. 

Há muitos tipos diferentes da doença, ainda que se saiba pouco sobre o que causa esta variação e sobre a melhor forma de gerir as diferentes formas da doença. 

Infografia da DPOC PDF Descarregue a nossa infografia para ver os pontos fundamentais sobre a DPOC

ERS This material is a summarised version of the European Lung White Book, which can be accessed online.

  • Sintomas

    Os sintomas da DPOC são a falta de ar e a tosse crónica, com ou sem expetoração. Ao longo do tempo, também podem ocorrer fadiga, anorexia e perda de peso. Uma característica fundamental da doença são os períodos de sintomas agravados, chamados exacerbações. Estas podem ser desencadeadas por infeções ou pela exposição a níveis elevados de poluição do ar. Os sintomas da DPOC agravam-se ao longo do tempo e as exacerbações podem acelerar este declínio. 

    As pessoas com DPOC muitas vezes sofrem de outras doenças, chamadas comorbilidades. Estas doenças podem partilhar fatores de risco semelhantes, como o tabagismo, e muitas vezes contribuem para a gravidade da doença.

    As doenças mais frequentes que ocorrem conjuntamente com a DPOC incluem a doença cardíaca, ansiedade e depressão, osteoporose, refluxo gastroesofágico, disfunção musculoesquelética, anemia, cancro do pulmão, diabetes e síndrome metabólica. 

  • Causas

    A DPOC é causada por fatores que desencadeiam a inflamação dos pulmões. Incluem:

    FUMAR TABACO

    Este é o principal fator de risco para a DPOC. Cerca de 40-50% dos fumadores ao longo da vida irão desenvolver DPOC, em comparação com 10% das pessoas que nunca fumaram. Nem todos os fumadores irão desenvolver a doença, o que sugere que a genética também desempenha um papel em tornar algumas pessoas mais suscetíveis do que outras.

    EXPOSIÇÃO OCUPACIONAL

    Cerca de 15-20% dos casos de DPOC estão associados a exposições ocupacionais a poeiras, substâncias químicas, vapores ou outros poluentes transportados pelo ar no local de trabalho, que podem desencadear a DPOC. Saiba mais sobre os fatores de risco ocupacional.

    OPOLUIÇÃO DO AR INTERIOR E EXTERIOR

    As pessoas com DPOC encontram-se em risco elevado de agravamento dos sintomas, com níveis elevados de poluição do ar exterior. A poluição do ar interior devido à utilização de combustíveis de biomassa para cozinhar e para o aquecimento também é um fator de risco para o desenvolvimento de DPOC. Saiba mais sobre a poluição do ar exterior e interior

    Socioeconomic status

    A investigação mostrou que o risco de desenvolver DPOC está associado a níveis educacionais e de rendimentos mais baixos. Os peritos pensam que isto se deva a fatores como a nutrição, sobrelotação e poluição do ar.

    FATORES AMBIENTAIS E NA PRIMEIRA INFÂNCIA

    As infeções pulmonares na primeira infância e as mães fumadoras são fatores de risco importantes para a DPOC.

    FATORES GENÉTICOS

    A constituição dos genes de uma determinada pessoa pode significar que é mais suscetível a desenvolver DPOC. O problema genético relacionado com a DPOC mais investigado é uma doença chamada deficiência de alfa-1 antitripsina; é uma doença hereditária na qual as pessoas têm falta de uma proteína chamada alfa-1 antitripsina. 

  • Prevenção

    A identificação dos fatores de risco e a prevenção da exposição a esses fatores é o passo mais importante na prevenção da doença. Inclui:

    • Incentivar as pessoas a deixarem de fumar
    • Prevenir a exposição dos bebés ao tabagismo passivo antes e depois do nascimento
    • Reduzir a exposição à poluição do ar interior devido a combustíveis de biomassa nos países em desenvolvimento
    • Prevenir as exacerbações da DPOC

     

  • Tratamento

    A DPOC é diagnosticada através de um teste de espirometria. Este teste envolve respirar para um dispositivo chamado espirómetro, que mede a quantidade de ar nos pulmões e a rapidez com que a pessoa consegue expirar. Se o teste mostrar que a quantidade de ar que a pessoa expira é baixa, isso pode indicar um estreitamento das vias respiratórias e as fases iniciais da DPOC.

    Não há nenhuma cura conhecida para a DPOC, mas esta pode gerir-se eficazmente para aliviar o impacto dos sintomas na qualidade de vida. A gestão da doença inclui:

    • Reduzir a exposição aos fatores de risco, incluindo o tabagismo e a poluição do ar
    • Melhorar a capacidade de exercício, para ajudar a aliviar os sintomas
    • Tratamento médico com broncodilatadores para ajudar a prevenir exacerbações
    • Oxigenoterapia para ajudar a aliviar a falta de ar

    As pessoas com DPOC podem ser referenciadas para programas de exercícios, chamados reabilitação pulmonar. Estes centram-se em melhorar a capacidade da pessoa para fazer exercício e em educar para ajudar a pessoa a gerir a sua própria doença.

  • Carga

    A DPOC tem um enorme impacto para os indivíduos, as sociedades e os sistemas de saúde em todo o mundo. Isto deve-se em parte à exposição continuada aos fatores de risco, como o tabagismo e a poluição do ar, e em parte à população envelhecida. As pessoas que vivem mais tempo têm maior probabilidade de vir a sentir as consequências da exposição a longo prazo aos fatores de risco da DPOC.

    • Os países com uma taxa mais elevada de tabagismo têm um nível aumentado de mortalidade devido a DPOC
    • Em 1997, a DPOC foi a causa de morte de 4,1% dos homens e de 2,4% das mulheres
    • As taxas médias de internamento hospitalar devido a DPOC são de cerca de 300 por 100 000 pessoas por ano
    • Na população adulta com mais de 40 anos, a DPOC moderada e grave é prevalente em 5-10% da população e incluindo os casos ligeiros a prevalência é de 15-20% 
    • A prevalência de DPOC é mais elevada nos homens do que nas mulheres
    • A prevalência de DPOC aumenta com a idade: nas pessoas com mais de 70 anos, a prevalência de DPOC moderada e grave é de cerca de 20% nos homens e de 15% nas mulheres
    • Há 300 000 mortes devido a DPOC na Europa todos os anos – o equivalente a 3 bombas de Hiroxima


    Taxa de mortalidade para a DPOC. Dados das Bases de Dados de Mortalidade na Europa e no Mundo, da Organização Mundial de Saúde, atualização de novembro de 2011. Os dados para alguns países estão omissos porque os dados de mortalidade para a asma e a DPOC não são registados em separado

  • Necessidades atuais e futuras

    Há muito espaço para melhorias no cuidado das pessoas com DPOC. Para o conseguir, os peritos recomendam melhorias nas seguintes áreas:

    • São necessários mais estudos sobre a prevenção, educação, medicação, tratamento e cuidados para conduzir a padrões mais elevados em toda a Europa
    • Mais investigação sobre a efetividade das técnicas de gestão atuais para a doença
    • Novas terapêuticas para abrandar a progressão da doença
    • Estratégias mais eficazes de cessação do tabagismo
    • Maior sensibilização dos governos, da indústria e do público em geral sobre o elevado impacto da DPOC na Europa
    • É necessária mais investigação sobre as diferentes variações da DPOC e do respetivo impacto económico para as sociedades europeias
    • Há falta de dados fiáveis sobre a incidência de DPOC – os Estados-Membros devem melhorar os registos